sábado, 2 de novembro de 2013

Michael McClure

O mistério da caça


É o mistério da caça que me intriga,
Que nos impele como lemingues, mas cautelosos –  
Em busca de uma cintilante nuvem quadrada – cheiro de limão verbena –
Ou aprender as regras do jogo que a lontra marinha
Pratica nas ondas.

São essas coisas mínimas – e o segredo por trás delas
Que enchem o coração.
O padrão, o espírito, o demônio ígneo
Que as une
E empurra sua liberdade nossos sentidos.

Aroma de arbusto, uma nuvem, a ação dos animais

– A elevação, a exuberância, quando o mistério se revela.
São essas coisas mínimas

Que, trazidas à visão, se tornam um inferno.
 

The mystery of the hunt


It’s the mystery of the hunt that intrigues me,
That drives us like lemmings, but cautiously –
The search for a bright square cloud – the scent of lemon verbena –
Or the rules for the game sea otters
Play in the surf.

It is these small things – and the secret behind them
That fill the heart.
The pattern, the spirit, the fiery demon
That link them together
And pull their freedom into our senses,

The smell of a schrub, a cloud, the action of animals

– The rising, the exuberance, when the mystery is unveiled.
It is these small things

That when brought into vision become an inferno.


(do livro “Azougue especial poesia beat”, organização: Sergio Cohn, Azougue Editorial)



Nenhum comentário:

Postar um comentário