terça-feira, 29 de outubro de 2013

José de Assis Freitas Filho



Três, trois, three


Escorço

Escrevo atormentado
Por abismos
Quanto mais caio
Mais visgo


Suíte agreste para ventanias d’além mar

Uma noite quando lia atento
Une Saison en Enfer
Exultavam em mim arrepios
E uma cotovia desavisada
Pousando nos umbrais
Cantou never more, never more
E eu nunca mais fui o mesmo
Nunca mais.

Rapsódia fugaz para polaroides urbanas
p/ Nina Rizzi

um verso de rimbaud
um beijo de esquina
língua, saliva, sílaba

pescaria, poesia
lâminas no asfalto
estes versos bregas

deixa-me cantar piaf
à sombra do laranjal
o futuro que és praia


José de Assis Freitas Filho é poeta, escritor, sociólogo e mestre em Letras (Ufba), nasceu e mora na cidade de Feira de Santana )(Ba). Tem poemas e narrativas publicadas em diversos jornais de circulação estadual e municipal. Em 1998, publicou o livro de contos O Mapa da Cidade, pela Coleção Flor de Mandacaru do MAC de Feira de Santana. Participou, também, da Antologia do concurso nacional de contos Newton Sampaio (2005), editada pela Secretaria de Cultura do Estado do Paraná. Em 2009 lançou o livro de contos O Ulisses no supermercado como premio do concurso CDL de Literatura de Feira de Santana. Em 2012 publicou O ano que Fidel foi excomungado pela Editora Penalux. Como poeta participou de diversos números da Revista Hera (1972-2005) que possui edição fac-similar publicada pela Editora Uefs (Universidade Estadual de Feira de Santana) em parceria com fundação Pedro Calmon (Salvador-Ba). Possui poemas no na agenda Livro da Tribo. Lançou em janeiro de 2013 o livro Poemas de urgência para súbitos desalinhos pela Editora Multifoco. Edita os blogs mileumpoemas.blogspot.com e arvoredapoesia.blogspot.com





Um comentário: